Notícias Viva Mais

Ortopedia e Traumatologia PUBLICADO EM 30/07/2019

Marreta rompe todos os ligamentos do joelho e só volta ao UFC em 2020

Cirurgia para tratar lesões é realizada eletivamente

Participação do ortopedista especialista em Cirurgia de Joelho, Dr. Pedro Bastos

Marreta rompe todos os ligamentos do joelho e só volta ao UFC em 2020

Thiago Marreta não conseguiu vencer Jon Jones no último confronto entre os dois no UFC 239, mas fez algo inacreditável: lutou até o final contra um dos maiores lutadores da história com todos os ligamentos do joelho esquerdo e também o menisco rompidos e ainda um ligamento do joelho direito com rompimento parcial.

A lesão inicial aconteceu ainda no primeiro round com o joelho falseando, como o próprio Marreta já havia admitido após a luta. Em alguns momentos, ele chegou a perder o equilíbrio sem necessariamente sofrer golpes de Jones. Mesmo assim, seguiu lutando até o fim. Ele precisou sair carregado do octógono e usou cadeira de rodas para se locomover na arena após o combate.

“O médico disse que não sabe nem sabe como ele ficou em pé, não daria para uma pessoa ficar em pé. Ele segurou tudo na musculatura. O primeiro movimento deve ter rompido um ligamento, mas como ele continuou lutando mais quatro rounds, dando chute para caramba, rompeu os outros. Não sabem nem como ele terminou em pé a luta. E ele ainda compensou em cima da outra perna, por isso teve a outra lesão”, disse o treinador do atleta, Phillip Lima, ao site ESPN.com.br.

Marreta ainda não tem a data da cirurgia marcada, mas deve fazê-la no máximo até a próxima semana, em Los Angeles. A recuperação começa nos Estados Unidos e termina no Brasil. Serão pelo menos oito meses afastado. Ele só volta a lutar, portanto, em 2020.

Entenda o problema sofrido pelo lutador Marreta

Quem deseja saber mais sobre os ligamentos do joelho e o perigo de lesões nos mesmos deve assistir à série completa de vídeos sobre o tema gravada pelo ortopedista Dr. Pedro Bastos disponível neste link.

Em um dos vídeos, o especialista diz que a cirurgia envolve a reconstrução dos ligamentos e não a sua sutura . “Retiramos o resto do ligamento e colocamos um novo no seu lugar. A cirurgia é feita por artroscopia, uma técnica segura e minimamente invasiva, com apenas dois pequenos furos na frente do joelho e uma pequena incisão logo abaixo. Colocamos uma câmera dentro do joelho e visualizamos todas as lesões presentes. Caso tenha lesões associadas, como lesão meniscal ou lesão da cartilagem, as mesmas são imediatamente corrigidas”, explicou

O passo seguinte, completa o médico, é a confecção dos túneis ósseos no fêmur e na tíbia, feitos com brocas especiais, onde o novo ligamento vai ser inserido. “Colocamos o enxerto dentro dos túneis e o fixamos ao osso com dispositivos especiais. Após a fixação do enxerto, testamos o joelho e observamos se ele está estável e com arco de movimento completo”, pontua.

Dr. Pedro Bastos acrescenta que a cirurgia do LCA não é realizada em caráter de urgência , mas sim eletivamente. “Eu, particularmente, costumo esperar que o paciente saia da fase aguda, realize uma fisioterapia pré-operatória, evolua com melhora significativa dos sintomas, melhora do arco de movimento, melhora da inflamação, para então realizar a cirurgia. Porém, não existe regra, e cada caso deve ser avaliado isoladamente”, concluiu.

Compartilhe essa notícia: