Notícias Viva Mais

Infectologia PUBLICADO EM 24/03/2016

Tatuagens poderiam ajudar a combater infecções comuns

Estudo foi publicado no American Journal of Human Biology

Tatuagens poderiam ajudar a combater infecções comuns

Você sabia que pessoas que têm tatuagens definitivas podem ter mais benefícios à saúde do que as que ainda não fizeram? Pode até ser fisicamente desgastante, mas pesquisadores descobriram que fazer tatuagens poderia fortalecer o sistema imunológico, ajudando-nos a evitar infecções comuns. O estudo foi publicado no American Journal of Human Biology.

Enquanto a maioria das pessoas não sentem quaisquer complicações de saúde após fazer uma tatuagem, alguns indivíduos podem experimentar uma reação alérgica ou infecção da pele. Além disso, se o equipamento utilizado estiver contaminado com sangue infectado, é possível contrair doenças transmitidas pelo sangue, tais como tétano e hepatite B e C. Mas, de acordo com o Dr. Christopher Lynn, professor associado de antropologia da Universidade do Alabama, em Tuscaloosa, e seus colegas, tatuagens também poderiam benéficiar a saúde, ajudando-nos a combater resfriados e outras infecções comuns.

Para chegar às conclusões, a equipe analisou os dados de 29 indivíduos, com idades entre 18-47 anos, que estavam fazendo tatuagens entre Maio e Dezembro de 2012. A equipe coletou amostras de saliva dos participantes antes e depois de seu procedimento de tatuagem, que eles usaram para medir os níveis de imunoglobulina A – um anticorpo que actua como uma primeira linha de defesa contra infecções comuns – e do ” estresse hormonal” cortisol. Os pesquisadores também coletaram informações sobre quantas tatuagens cada participante tinha, quantas sessões de tatuagem tinham feito, as horas na cadeira do tatuador, quantos anos tinha se passado desde a primeira tatuagem e a porcentagem do corpo que foi tatuada.

Como esperado, a equipe verificou que os participantes que fizeram a primeira tatuagem mostraram uma redução significativa nos níveis de imunoglobulina A – uma resposta a um aumento do cortisol que foi desencadeada pelo stress e a dor do procedimento de tatuagem. A equipe explica que, inicialmente, fazer uma tatuagem poderia tornar a pessoa mais suscetível a infecções comuns. “Eles não estão apenas ferindo a pessoa enquanto ela está fazendo a tatuagem, eles podem esgotá-la,” diz o Dr. Lynn. “É mais fácil de ficar doente. A pessoa pode pegar um resfriado porque as suas defesas estão reduzidas pelo stress de fazer a tatuagem”.

No entanto, a equipe descobriu que as pessoas que tinham mais tatuagens mostraram uma redução menor dos níveis de imunoglobulina A, do que o benefício de aumento da resiliência do sistema imunológico que se acumula com maior exposição ao estresse de tatuagem. “Depois da resposta ao estresse, seu corpo retorna a um equilíbrio”, diz Dr. Lynn. “No entanto, se você continuar a sublinhar o seu corpo uma vez ou outra, em vez de voltar para o mesmo ponto de ajuste, ele ajusta seus pontos de ajuste interno e se move mais elevado”. Ele explica que a forma como o corpo responde a tatuagens é semelhante à sua resposta ao exercício em indivíduos inaptos; um treino inicial pode causar dor muscular, mas a dor diminui com mais exercícios, como o corpo se torna melhor em lidar com o estresse da atividade física.

Embora os autores admitam que sua amostra do estudo tenha sido pequena, eles dizem que os dados oferecem informação importante sobre a resposta fisiológica do corpo tatuado.

Compartilhe essa notícia: