Notícias Viva Mais

Ginecologia e Obstetrícia PUBLICADO EM 16/01/2020

Maternidade após os 40 anos: vale a pena?

Entenda os riscos e os benefícios dessa experiência

Participação do especialista em reprodução humana, Dr. Joaquim Roberto Costa Lopes

Maternidade após os 40 anos: vale a pena?

A gravidez em qualquer idade tem vantagens e desvantagens. Mas não há como negar que as chances de engravidar após os 40 anos são muito menores: a reserva de óvulos diminui significativamente com a idade e os óvulos mais velhos são mais propensos a desenvolver problemas, aumentando o risco de aborto e anomalias ao nascimento.

O especialista em reprodução humana, Dr. Joaquim Roberto Costa Lopes, conta que é importante observar alguns fatos importantes com a gravidez nessa idade. “Uma gestante com mais de 40 anos é sempre considerada de alto risco. Essas pacientes são mais propensas às doenças pré-existentes, que complicam a gestação, tais como obesidade, hipertensão arterial, doenças da tireoide, diabetes, etc. Possuem ainda maiores riscos inerentes à gestação, como aborto espontâneo, síndrome de Down, diabetes gestacional, pré-eclâmpsia, parto prematuro e macrossomia, anomalias placentárias”, explicou.

Segundo Dr. Joaquim Roberto, algumas dicas são importantes para diminuir a probabilidade de complicações. “Caso exista qualquer condição médica pré-existente, o melhor a fazer é discutir a gravidez com o médico para descobrir se a doença está controlada e como a gravidez pode afetar sua condição de saúde”, ressaltou.

Em geral, as mulheres que optam por ser mães mais tarde o fazem para dar mais foco na vida profissional ou porque não encontraram o companheiro perfeito para ser o pai de seus filhos. Então, quando decidem encarar a maternidade, normalmente já são mais maduras emocionalmente e mais estáveis em suas profissões. Isso propicia mais tempo para passar em família e até mesmo o poder de decisão sobre dar uma pausa na carreira ou mudar para um tipo de trabalho mais flexível e menos acelerado, nos primeiros anos da criança, contando também com o fato da possibilidade de conter mais informações e com profissionais de saúde cada vez mais preparados.

Mulheres que planejam engravidar mais tarde podem optar pelo congelamento de óvulos ou embriões, até os 35 anos de idade, realizados em clínicas de reprodução humana.

Compartilhe essa notícia: