Notícias Viva Mais

Alimentação PUBLICADO EM 07/01/2016

Processados ​​aumentam risco de doenças autoimunes

Ingestão desses alimentos pode enfraquecer intestino

 

Processados ​​aumentam risco de doenças autoimunes

Depois de um árduo dia de trabalho, é tentador comer alimentos que são rápidos e fáceis de preparar. Para muitos, isso significa encarar os alimentos processados, como refeições de micro-ondas, que são geralmente ricas em gordura, sal, açúcar e outros aditivos. Porém, um estudo publicado na revista ‘Autoimmunity Reviews’ sugere que a ingestão de alimentos processados ​​pode enfraquecer o intestino de um modo que aumenta o risco de doenças autoimunes, tais como diabetes do tipo 1, doença celíaca e esclerose múltipla.

Uma doença autoimune ocorre quando o sistema imunológico ataca as células saudáveis ​​do corpo, tomando-as por invasores estrangeiros. Isto pode levar à destruição do tecido do corpo e o crescimento anormal de órgãos e função. Os alimentos processados ​​são definidos como “qualquer alimento que não seja um produto agrícola bruto e inclui qualquer produto agrícola bruto que tenha sido objeto de processamento, como conservas, cozimento, congelamento, desidratação ou moagem”. Isso significa que eles não são apenas refeições que atendem à definição “processado”; queijo, cereais matinais, conservas de frutas e legumes, pão, salgadinhos e carnes como bacon e salsichas são também exemplos de alimentos que tenham sido vítimas de alguma forma de processamento.

Prof. Aaron Lerner, do Instituto Technion-Israel de Tecnologia em Haifa, em Israel, e Dr. Torsten Matthias, do Instituto Aesku-Kipp, na Alemanha, explicam que muitas doenças autoimunes são desencadeadas por disfunção de “tight junctions” no intestino, que são vedantes que protegem as células epiteliais da mucosa – o revestimento do trato gastrointestinal onde passa a comida. 

Os investigadores identificaram pelo menos sete aditivos alimentares comuns – incluindo a glucose, glúten, sódio, solventes de gorduras, ácidos orgânicos, partículas nanométricas e transglutaminase microbiana (uma enzima utilizada como uma proteína de alimentos “cola”) – que enfraquece as junções apertadas no intestino. Com base nas suas conclusões, os pesquisadores sugerem que o consumo de alimentos processados ​​pode aumentar o risco para doenças autoimunes. Eles observam que o mercado de aditivos alimentares não é altamente regulamentado, tornando tais achados um motivo de preocupação.

Prof. Lerner diz que “as agências de controle e de execução supervisionam rigorosamente a indústria farmacêutica, mas o mercado aditivo alimentar permanece sem vigilância suficiente. Esperamos que este estudo e estudos semelhantes aumentem a conscientização sobre os perigos inerentes dos aditivos alimentares industriais e aumentem a consciência sobre a necessidade de controle sobre eles”.

Compartilhe essa notícia: