Notícias Viva Mais

Ortopedia e Traumatologia PUBLICADO EM 06/04/2020

Dores nas costas: a causa pode ser hérnia de disco

Apesar de não ter cura, 95% dos casos podem ser tratados com sucesso

Com participação do ortopedista Dr. Carlos Henrique Araújo Silva, especialista em Cirurgia da Coluna

Dores nas costas: a causa pode ser hérnia de disco

Em nome da qualidade de vida e da longevidade, dores no corpo não devem ser ignoradas. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 8 a cada 10 pessoas terão dores nas costas ao longo da vida. A dor na coluna é um sintoma de que algo está errado, mas nem sempre significa uma doença. O importante é encontrar a causa desta dor. Uma das razões destas dores podem ser as hérnias de disco, que surgem principalmente em decorrência de uma predisposição genética associada ao uso que a pessoa faz da coluna no decorrer da vida.

A coluna vertebral é composta de aproximadamente 32 vértebras. Entre cada vértebra há um disco que serve como um amortecedor e também serve para dar a capacidade de movimento à coluna, que apesar de ter ossos se move em todas as direções. A hérnia ocorre quando os discos começam a se desgastar e forma-se esta patologia de origem mecânica. De acordo com o ortopedista Dr. Carlos Henrique Araújo Silva, especialista em Cirurgia da Coluna, o principal sintoma da hérnia de disco é a dor, que pode variar de leve a incapacitante. “Essa dor pode ou não irradiar para os membros. No caso da hérnia lombar a dor pode irradiar para os membros inferiores e provocar alterações neurológicas na coxa, na perna ou no pé. Essas alterações neurológicas podem variar desde formigamento, dormência, fraqueza ou mesmo paraplegia em casos mais graves”, explicou.

O exame padrão ouro para realização do diagnóstico de hérnia de disco é a ressonância magnética. No entanto, é necessária uma correlação exata entre os sintomas do paciente e os exames secundários de imagem. A presença da hérnia de disco identificada na ressonância magnética não significa que esta lesão é a causadora dos sintomas do paciente. Muitas doenças podem provocar sintomas que simulam a hérnia discal. Devido a isso, o diagnóstico da hérnia de disco deve ser dado por um especialista em coluna vertebral, que poderá avaliar o paciente e definir um tratamento correto.

Segundo o Dr. Carlos Henrique, o tratamento da hérnia de disco lombar deve ser direcionado de acordo com o quadro clínico do paciente e o tipo de hérnia que ele apresenta. 90% dos pacientes que apresentam hérnia de disco lombar terão uma evolução favorável com o tratamento conservador, que é feito com o uso de medicamentos como analgésicos, anti-inflamatórios, anticonvulsivantes e antidepressivos, medidas fisioterápicas visando o fortalecimento muscular, alongamento e estabilização do tronco também são importantes. Apenas uma pequena parte, menos de 10% dos pacientes, irão necessitar de um tratamento cirúrgico em algum momento. “O tratamento cirúrgico é reservado para casos mais graves em que o paciente apresenta dor ou déficit neurológico persistente ou grave”, completou o especialista.

Compartilhe essa notícia: