Notícias Viva Mais

Curiosidades PUBLICADO EM 09/12/2015

Cigarros eletrônicos podem causar doenças respiratórias

Produtos químicos aromatizantes são nocivos à saúde

 

Cigarros eletrônicos podem causar doenças respiratórias

Pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard descobriram que muitos cigarros eletrônicos (e-cigarros) – aparelho mecânico-eletrônico desenvolvido com o objetivo de simular um cigarro e o ato de fumar -, com sabor e líquidos, podem conter substâncias químicas associadas com uma grave doença respiratória. O estudo, que aborda uma lacuna na investigação dos e-cigarros, foi publicado na Environmental Health Perspectives.

Embora existam mais de 7 mil tipos de sabores de e-cigarros e e-sucos (líquido usado como veículo para a nicotina chegar aos pulmões) disponíveis para compra, poucos estudos examinaram a exposição a produtos químicos aromatizantes. Em 47 dos 51 tipos de sabores de e-cigarros e e-sucos testados pelos pesquisadores, pelo menos um dos três produtos químicos potencialmente nocivos estavam presentes.

O estudo se baseou após relatos de bronquiolite obliterante – condição respiratória grave – em trabalhadores de uma fábrica de produção de pipoca de microondas. O seu desenvolvimento foi associado com a inalação de misturas químicas aromatizantes de manteiga. Os aromas utilizados na pipoca foram listados. Diacetil e dois outros compostos aromatizantes e acetoina – 2,3-pentanodiona – encontram-se em uma série de outros aromas além da manteiga, incluindo muitas que podem ser encontrados em cartuchos aromatizantes presentes nos e-cigarros.

Produtos potencialmente nocivos encontrados em 92% dos sabores testados
O autor da pesquisa, Joseph Allen, professor assistente, e sua equipe, levantaram a hipótese de que estes compostos eram susceptíveis de serem encontrados no sabor dos e-cigarros, e assim eles partiram para testar 51 tipos de sabores e líquidos vendidos por marcas líderes para cada um dos três produtos químicos.

Diacetil foi encontrada em 47 dos 51 sabores testados. Acetoina foi detectada em 46 dos sabores, e 2,3-pentanodiona foi encontrado em 23 dos sabores. No total, 92% dos sabores testadas continham pelo menos um dos três produtos químicos.

Os investigadores concluem que, devido às associações entre diacetil e doenças respiratórias graves, recomenda uma ação urgente para avaliar ainda mais a exposição a produtos químicos através da utilização do e-cigarro: “Além de conter diferentes níveis de nicotina, eles também contêm outras substâncias cancerígenas, como o formaldeído, e nosso estudo mostra que produtos químicos aromatizantes podem causar danos aos pulmões”.

Aromas são mais atraentes para as crianças e adolescentes
Uma preocupação adicional é a forma como alguns desses aromas podem ser particularmente atraentes para crianças e adolescentes, com nomes como cupcake, algodão doce ou sangue alienígena, atraindo muitos jovens a começarem a fumar.

Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, estimam que 1,78 milhões de crianças tenham usado os e-cigarros a partir de 2012.

 

Compartilhe essa notícia: