Notícias Viva Mais

Qualidade de Vida PUBLICADO EM 23/11/2015

Acordar cedo em dias de trabalho pode prejudicar a saúde metabólica

Levantar antes do horário de sono pode levar ao diabetes, obesidade e doenças cardíacas

 

Acordar cedo em dias de trabalho pode prejudicar a saúde metabólica

O barulho do despertador não é um som que normalmente seja bem recebido de manhã cedo. Ele ajuda a acordar no horário, mas de uma maneira não muito sutil. Este despertar precoce é mais do que apenas incômodo; um novo estudo descobriu que pode realmente ser prejudicial à saúde.

Publicado no jornal Clinical Endocrinology&Metabolism, o estudo constatou que as mudanças na rotina do sono – como acordar cedo nos dias de semana – pode aumentar o risco para condições metabólicas, tais como obesidade, diabetes e doenças cardíacas. Foram analisados dados de 447 adultos com idades entre 30 e 54 anos. Os participantes trabalharam um mínimo de 25 horas semanais fora de sua casa. Eles usaram uma pulseira para medir sua atividade de sono e movimento por 24 horas/dia durante uma semana, além de responder a um questionário detalhando seus hábitos de dieta e exercício.

A equipe envolvida nesta pesquisa – incluindo Patricia M. Wong, da Universidade de Pittsburgh, PA – diz que o estudo é o primeiro a mostrar que pequenas interrupções na hora de dormir podem prejudicar na saúde metabólica das pessoas que levantam cedo para trabalhar. Os pesquisadores descobriram que os indivíduos que tiveram um maior deslocamento entre os seus horários de sono no trabalho e de folga – conhecido como ‘jet lag’ social – eram mais propensos a ter níveis de colesterol ruins , maior circunferência da cintura abdominal, índice de massa corporal (IMC) elevado, maiores níveis de insulina em jejum e uma maior resistência à insulina, em comparação com aqueles que tinham menos ‘jet lag’ social.

Comentando sobre as possíveis implicações de suas descobertas, Wong diz:
“Essas alterações metabólicas podem contribuir para o desenvolvimento de obesidade, diabetes e doença cardiovascular. Se estudos futuros replicarem o que encontramos, então podemos considerar que o trabalho e as obrigações sociais da sociedade moderna estão afetando o nosso sono e saúde. Poderia haver então benefícios para intervenções clínicas focadas em distúrbios circadianos, educação no local de trabalho para ajudar os funcionários e suas famílias a tomarem decisões informadas sobre estruturação de suas agendas e políticas para incentivar os empregadores a considerarem essas questões”.

Compartilhe essa notícia: