Trombofilia na Gravidez: Quais são os sintomas e como pode ser identificada?

Viva Mais Viva Melhor - Trecho da entrevista com: Dr. Manoel Sarno

Publicado: 5 de janeiro de 2017 - Atualizado: 4 de junho de 2019

Na verdade, existem os critérios clínicos do diagnóstico. São critérios muito bem estabelecidos (critérios de Sapporo) para a síndrome de antifosfolipídica, que é a trombofilia adquirida. São eles:
– Um óbito fetal acima de 10 semanas sem que o bebê tenha nenhuma evidência de alguma alteração anatômica ou alguma malformação, alguma alteração genética.
– Três perdas consecutivas abaixo de 10 semanas, ou seja, o aborto de repetição.
– Se a paciente precisou fazer o parto por causa de uma insuficiência placentária antes de 34 semanas ou pré-eclâmpsia, ou descolamento prematuro de placenta ou até mesmo evidências de trombose na anatomia patológica.
*Se um critério desse estiver associado a um dado laboratorial ou um critério laboratorial que seja a anticardiolipina positiva com títulos altos, com pelo menos 12 semanas de intervalo, entre um exame e outro e os dois exames positivos, tem-se o diagnóstico de trombofilia ou anticoagulante lúpico, a trombofilia adquirida.
*Nas trombofilias hereditárias, se uma das alterações clínicas estiver associada com o dado laboratorial também diagnostica-se a trombofilia hereditária.